Notícia

Mulher e Direitos Humanos

Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos do Estado de Alagoas
Quarta, 12 Junho 2019 18:31
PRÊMIO DE DIREITOS HUMANOS

Padre ativista receberá Prêmio Alagoas de Direitos Humanos

Manoel Henrique é reconhecido por lutar em defesa dos pobres

A visita foi marcada pela emoção dos presentes. A visita foi marcada pela emoção dos presentes. Letícia Sobreira
Texto de Letícia Sobreira

Lúcido, hospitaleiro e amistoso, o Padre Manoel Henrique recebeu ontem (11), oficialmente, o comunicado de que será o grande homenageado do Prêmio Alagoas de Direitos Humanos 2019, na categoria estadual. A boa nova foi levada pela secretária da Mulher e Direitos Humanos, Maria Silva, e o superintende estadual de Políticas para os Direitos Humanos e a Igualdade Racial, Mirabel Alves.

Aos 74 anos de idade, o Padre se recupera de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) sofrido em 2017, quando passou três meses internado. Emocionado, ele agradeceu o convite e o reconhecimento de suas atividades. “Hoje em dia eu só não ando, mas tenho me dedicado à fisioterapia. O resto continua tudo igual”, contou. Padre Manoel foi indicado e aceito por unanimidade como personalidade a receber as homenagens pelo Conselho Estadual de Direitos Humanos (CEDDH).

Maria Silva, secretária, não deixou de expressar afeto ao fazer o anúncio ao padre. “É uma honra para nós ter o senhor entre os defensores dos direitos humanos em Alagoas. Sua história de luta é mais que merecedora dessa e de toda homenagem”, disse Maria. O superintendente Mirabel Alves lembrou que já compartilhou diversas batalhas com o padre. “Nos conhecemos de outros tempos. O senhor sempre esteve ao lado dos que mais precisam”, ressaltou o superintendente.

Humano

Reconhecido entre os ativistas da causa humana em Alagoas, o padre foi um dos idealizadores do CEDDH – Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos, em 1997, e desde então é membro ativo do conselho representando a Igreja Católica. Atualmente está afastado por restrição médica. Também na igreja, padre Manoel foi idealizador de pastorais voltadas a servidão dos mais necessitados, como a pastoral dos moradores de rua, dos meninos de rua e das empregadas domésticas, além atuar como mediador em épocas de rebeliões em presídios e criar movimentos de juventude que se espalharam pela diocese, a exemplo do Segue-me.

Sacerdote católico e estudioso de religiões, padre Manoel é teólogo, filósofo e doutor em letras e linguística pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas). Se destaca por defender a liberdade religiosa em sua amplitude, já tendo sido alvo de ataques diretos e calúnias por causa de seu posicionamento em favor de todos os povos e suas diversidades culturais.